Seguidores

terça-feira, 13 de abril de 2010

NEM MAIS UM... NEM NENHUM


Não sou só mais um e nem nenhum
Nem do mantra eu tenho dom algum
Nesta terra os meus pés são fincados
E os meus versos são pássaros alados
Que adormecem minhas antigas eras
E me despertam em doces quimeras.

E agradecida por tantas primaveras
Eu planto flores nos sonhos deveras
Findo os outonos com lágrimas secas
Recebo os invernos com rimas frescas
E os verões, catequizando com sua luz
Abrilhanta amor e à poesia me conduz.

Não sou só um alguém e nem ninguém
Sou a flor e o fruto na vida de alguém...
Sou errante nos dias de acertos de gente
De pó e barro, um Ser mulher, que sente
Sou a lua, nas noites virgens do amanhã
Sou o pólen, fertilizando minhas manhãs.


Um comentário:

  1. Norma Suely Facchinetti13 de abril de 2010 17:54

    Minha querida, és única e teus belos versos são frutos da tua singularidade. Beijos.

    ResponderExcluir

Agradecida por sua gentil visita.